SALVE 7 DE SETEMBRO, INDEPENDÊNCIA DO BRASIL!

Não resta dúvida alguma de que a independência do Brasil é um dos fatos históricos mais importantes de nosso país, pois marca o fim do domínio português e a conquista da autonomia política da nação. Muitas pessoas morreram em luta e em busca por este ideal. E o caso mais marcante e conhecido citamos o do maçom Tiradentes, na independência ou conjuração mineira.

A história registra que em 9 de janeiro de 1822, o maçom D. Pedro I, recebeu uma carta de Portugual exigindo o seu retorno, imediato à corte de Lisboa. Pois, os portugueses pretendia colonizar  o Brasil e a presença do Ir. D. Pedro I impedia este ideal. Assim, D. Pedro foi firme e respondeu negativamente aos chamados de Portugual e proclamou: ” Se é para o bem de todos e felicidade geral da nação, diga ao povo que fico”

Após o o Dia do Fico, D. Pedro tomou uma série de medidas que desagradaram a metrópole. Dessa feita, o príncipe em uma viagem à Minas e a São Paulo para acalmar setores da sociedade que estavam preocupados com os últimos acontecimentos, recebeu uma carta de Portugual que anulava todos os atos praticados por ele e exigia, mais uma vez,  de imediato, sua volta à metrópole.

No entanto, assim  que as notícias chegaram às mãos de D. Pedro, isto no trajeto Santos/São Paulo, perto do riacho do Ipiranga, D. Pedro, revoltado, levantou sua espada  e gritou: ” Independência ou Morte!”.  Fato este que ocorreu no dia 7 de setembro de 1822 e marca a Independência do Brasil.  Já em dezembro, deste ano,  D. Pedro é declarado Imperador do Brasil.

Após a independência, os primeiros países a nos reconhecer foram os Estados Unidos e México. Portugual aceitou, entretanto exigiu do Brasil o pagamento de 2 milhões de libras esterlinas. Como o Brasil não tinha este recurso em caixa, D. Pedro recorreu a um empréstimo feito pela Inglaterra e saldou o compromisso.

Embora tenha sido de grande valor histórico, o fato é que nada mudou ou provocou nas estruturas sociais do país. Os mais pobres sequer acompanhou ou entendeu o significado da independência. A estrutura agrária continuou a mesma, a escravidão se manteve e a distribuição de renda continuou desigual. A elite, que deu suporte a D. Pedro foi a que mais se beneficiou. Infelizmente, nos dias atuais, após quase 200 anos, entendemos que muitas coisas deverão ser, ainda,  mudadas.

Texto-Pesquisa: Secretaria Estadual de Gabinete.